Em uma semana, fila de espera por testes da Covid dobra em Ribeirão Preto

Reportagem: Cristiano Pavini

Nos últimos sete dias, a fila de espera por resultados de exames da Covid-19 dobrou em Ribeirão Preto. Com isso, os boletins diários publicados pela prefeitura ficam subnotificados: a realidade é mais grave do que a retratada nos dados oficiais.

Análise do Farolete nos boletins epidemiológicos da prefeitura revela que, em 1 de junho, eram 497 pessoas testadas aguardando o resultado dos exames. Uma semana depois, em 8 de junho, já eram 846 na fila de espera. O boletim desta segunda-feira (15 de junho) apontou 1.744 possíveis infectados no aguardo.



A fila de espera cresceu, principalmente, pela ampliação de casos suspeitos.

O volume de resultados de testes até aumentou a partir do dia 10 de junho, em comparação com a média dos dias anteriores, mas não foi suficiente para acompanhar a aceleração na notificação.

Análise do Farolete aponta que, nos últimos dez dias, a cada 20 testes com resultado divulgado, 9 confirmavam a Covid-19 e 11 descartavam a infecção. Foram considerados apenas os casos notificados no boletim epidemiológico da prefeitura, que já possuem maior probabilidade infecção por apresentarem sintomas compatíveis com a Covid.

Considerando essa proporção, o município teria quase 800 casos confirmados em potencial à espera de confirmação nos laboratórios, que já teriam sido incorporados nos resultados oficiais caso a fila de espera não existisse.

O boletim epidemiológico desta segunda-feira (15/6) registrou, oficialmente, 2.517 casos confirmados acumulados em Ribeirão Preto e 68 óbitos. As confirmações diárias, embora subnotificadas, aumentaram em relação à semana passada.

Questionada pelo Farolete, a prefeitura de Ribeirão Preto optou por não se posicionar. O governo municipal não informou qual o tempo médio, atualmente, entre a realização do exame e o resultado. Também não disse quais laboratórios fazem as análises e se serão tomadas medidas para a redução do prazo de espera.

Uma advogada, que preferiu não se identificar, disse ao Farolete que fez em 4 de junho o teste na UPA 13 de Maio, onde funciona a tenda de atendimentos da Covid. Foi informada que o resultado sairia em três dias. A espera levou, porém, o triplo: 9 dias. Soube por telefone, no último sábado, que não estava infectada. Enquanto aguardava, teve que se afastar do trabalho.

“Me informaram que o atraso era resultado do aumento da demanda”, afirmou a advogada. Ela elogiou a organização, limpeza e atendimento dos profissionais de saúde na tenda para o atendimento inicial e, depois, na UPA para a coleta do exame.


Internações

A subnotificação dos testes não consegue camuflar as internações por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave).

São os casos graves, em que o paciente precisa de atendimento hospitalar. Mesmo que o exame da Covid ainda esteja pendente, ele ocupa um leito de internação.

Em 10 de junho, eram 197 pacientes ocupando leitos de enfermaria ou CTI (Centro de Terapia Intensiva) em Ribeirão. Em 14 de junho, o número passou para 253.



A prefeitura de Ribeirão Preto não informou a taxa de ocupação do dia 15 de junho.