Partidos de direita avançam no Legislativo na região de Ribeirão, veja as bancadas

Reportagem: Cristiano Pavini

Na Região Metropolitana de Ribeirão Preto, partidos localizados à esquerda no espectro político perderam força no Legislativo, enquanto centro-direita e direita avançaram. O levantamento foi feito pelo Farolete junto aos dados dos vereadores eleitos em 2020, comparando com as bancadas de quatro anos atrás.

MDB e PSDB foram os principais vitoriosos nas eleições para vereadores. Somados, ambos representam 1/3 dos 379 candidatos eleitos nas 34 cidades da Região Metropolitana: tucanos terão 59 cadeiras e emedebistas 60.

“A queda no número de cadeiras pelos partidos de esquerda e centro-esquerda como PC do B, PT, PDT, PSB, e até PV e Cidadania,  junto com o aumento do DEM, PODEMOS, PSDB e especialmente REPUBLICANOS, PSL e Patriotas indicam uma mudança para direita”, afirma Guilherme Russo, cientista político e pesquisador do Cepesp/FGV (leia a entrevista completa ao final da reportagem).

Partido que mais cresceu na onda bolsonarista em 2018 e com quadros associados à extrema-direita, o PSL quadruplicou sua bancada, mas ainda é modesto em números: passou de dois para oito vereadores na Região Metropolitana.  

O desempenho da sigla indica que o eleitor regional buscou o que convencionou-se chamar de “direita moderada”.

O Novo, que debutou nas eleições municipais, lançou candidaturas apenas em Ribeirão Preto e conseguiu um único parlamentar.

Entre os partidos mais localizados à esquerda, o PSOL ganhou uma cadeira em relação a 2016, o PT perdeu uma e o PC do B encolheu duas. Juntos, os três partidos somam, em toda a Região Metropolitana, apenas 6 eleitos.

Para efeito de comparação, o trio equivale a 1/3 da bancada do Patriotas na região.

O partido mais afetado foi o PDT: perdeu 21 cadeiras. A sigla sofreu a debandada de lideranças regionais, como os deputados estadual e federal Rafael e Ricardo Silva, respectivamente, para o PSB – que também ficou com saldo negativo.

Veja, abaixo, o balanço de cada partido em relação às eleições de 2016 na Região Metropolitana.

Farolete considerou, no comparativo, a mudança de nomenclatura ou fusão de partidos.

Por exemplo: o Podemos não existia em 2016, foi criado pela mudança de nome do PTN e posterior incorporação do PHS. No saldo em relação à eleição passada, foi considerada a bancada desses dois partidos.

Como Ribeirão Preto reduziu a Câmara de 27 para 22 vereadores, a “bancada regional” passou de 384 para 379 parlamentares.


Entrevista

Farolete apresentou os dados regionais para Guilherme Russo, pesquisador do Centro de Política e Economia do Setor Público da Fundação Getúlio Vargas (Cepesp/FGV), que fez uma análise dos resultados eleitorais.


Como você situa a composição dos legislativos na Região Metropolitana de Ribeirão Preto, segundo o espectro político?

Os partidos com maior número de vereadores na RM de Ribeirão são de centro e centro-direita. Esse resultado não é muito diferente do agregado no Brasil, e realmente só difere de partes do Nordeste onde o PT, PSB e PC do B têm maior representatividade. Pensando que o eleitorado do interior paulista é, de certa forma, conservador, especialmente quando comparado com a capital, não é estranho que partidos de centro e centro-direita tenham maioria nas Câmaras da região. Por outro lado, vale lembrar que a política partidária local é um pouco diferente da nacional, no sentido de que nem sempre os grupos dentro dos partidos seguem uma linha ideológica clara, como maior ou menor intervenção na economia.


Em relação à composição de 2016, houve algum deslocamento (para a direita/esquerda) na Região Metropolitana?

No agregado, houve um deslocamento à direita. A queda no número de cadeiras pelos partidos de esquerda e centro-esquerda como PC do B, PT, PDT, PSB, e até PV e Cidadania  junto com o aumento do DEM, PODEMOS, PSDB e especialmente REPUBLICANOS, PSL e Patriotas indicam uma mudança para direita. É importante notar, entretanto, que muitas vezes as mudanças nos partidos não é só composta de vereadores novos, mas também de vereadores já eleitos que migram de legendas seguindo candidatos fortes à prefeitura. Isto é: o bom desempenho dos prefeitos destes partidos mais à direita na região, como a eleição do candidato do Patriotas em Jaboticabal, já incentiva candidatos “competitivos” a migrarem para esse partido antes da campanha.


Somados, PT, PC do B e PSOL representam aproximadamente 1/3 da bancada do PATRIOTAS na Região Metropolitana. Quais análises podem ser feitas sobre a representatividade da esquerda, com o resultado das eleições 2020?

A esquerda tem sofrido perdas no Brasil inteiro, mas principalmente no Sul e Sudeste. O PC do B e PSOL são partidos menores, e o PSOL tem desempenho muito melhor nas cidades maiores. Isso acontece tanto porque os grupos que se identificam com esses partidos conseguem se organizar, mas também porque o percentual de votos necessário para eleger uma cadeira é menor. Isso, em parte, explica o porquê 2 dos 3 vereadores do PT e 1 de 2 do PSOL estão em Ribeirão. Os partidos de esquerda estão bastante concentrados nas pautas de representatividade de minorias e seguem com o discurso contra o neoliberalismo, mas a realidade é que um percentual ainda pequeno está focado na primeira pauta, e poucas pessoas sequer entendem do que se trata a discussão sobre neoliberalismo.


O que podemos esperar, na atuação parlamentar, como debates, votações, pressões sobre o Executivo, entre outros, de Legislativos localizados no espectro político à direita?

É difícil prever como vai ser a atuação parlamentar, porque isso muda bastante por cidade. Dito isso, grande parte da pauta do Legislativo municipal vem de projetos do Executivo. Assim, podemos esperar que grande parte das discussões será sobre projetos que os partidos de centro-direita ou direita que estarão na prefeitura vão enviar, e devem ser bem aceitos pelos vereadores, já que compartilham partidos e espaço no espectro político. Vale lembrar também que os governos vão enfrentar muitas dificuldades financeiras, dado o aumento nos gastos sem proporcional aumento na arrecadação. Logo, vale ficar de olho como será a relação das prefeituras com as Câmaras sobre os gastos, além, óbvio, do enfrentamento à pandemia.



Achou importante?

Então compartilhe em suas redes sociais:

Também curta a página do Farolete no Facebook clicando AQUI e entre em nosso grupo de WhatsApp AQUI



Ajude o Farolete!

Faça parte do movimento para viabilizar outras reportagens, fortalecendo o jornalismo local independente! Estamos com uma campanha de financiamento coletivo no Catarse. Com a partir de R$ 10 mensais, você nos ajuda a estruturar o site! Clique aqui e acesse.